• Akeso Clinic Center

Equipe multidisciplinar no acompanhamento do paciente com câncer


Uma equipe multidisciplinar é formada por um grupo de profissionais de especialidades diferentes, unidos em torno de um objetivo comum. A equipe da Akeso Clinic Center é composta por médicos clínicos gerais, médica especialista em acupuntura, nutricionistas, psicólogas e fisioterapeutas, cada qual atuando com o objetivo de prevenção e correção dos efeitos colaterais que possam surgir durante um tratamento oncológico.

A quimioterapia é a segunda modalidade de maior escolha para produzir a cura, controle e paliação do câncer, após a cirurgia. Ela consiste no uso de medicamentos cuja função é destruir as células tumorais, que crescem e se dividem de maneira rápida. Algumas células saudáveis de nosso corpo têm esse mesmo comportamento, sendo também atingidas pela quimioterapia, como as células da pele, cabelo, intestinos e medula óssea, provocando os efeitos colaterais.

A pessoa recebendo a quimioterapia pode ter vários ou até mesmo nenhum efeito colateral, dependendo do tipo do quimioterápico e de sua resposta individual. Os efeitos da quimioterapia podem acabar assim que se interrompa sua administração, como podem perdurar até meses a anos após seu encerramento. Elas são as principais causas da recusa do paciente em continuar com o tratamento, como também da piora de seu estado de saúde, tornando impeditiva a continuidade dos ciclos de quimioterapia, comprometendo sua eficácia.

O suporte psicológico é extremamente importante para o controle dos sintomas de depressão/ansiedade gerados pela descoberta da doença e necessário durante todo o ciclo de tratamento para o seu enfrentamento.

A intervenção nutricional deve ser feita precocemente, visando corrigir as deficiências existentes. Um paciente bem nutrido apresenta melhor cicatrização e menores complicações no período pós operatório, responde melhor à quimioterapia e se recupera mais rápido dos efeitos colaterais. Dependendo do tratamento instituído, alguns alimentos devem ser evitados, assim como alguns cuidados devem ser tomados durante a manipulação dos alimentos, podendo ser necessária uma suplementação.

Alguns pacientes apresentam sintomas mais exacerbados, necessitando de intervenção clínica e medicamentosa precoce, como nas desidratações, alterações do funcionamento dos órgãos por toxicidade cardíaca, pulmonar, renal, gastrointestinal, do sistema nervoso central ou hematológicos, necessitando de transfusões sanguíneas.

A acupuntura é utilizada no controle de sintomas como dor, alterações gastrointestinais, mudanças no padrão do sono, do humor, do apetite, cansaço, sensação de dormência ou choque em mãos e pés, calor e sudorese noturna, entre outros, reduzindo a necessidade do uso de medicamentos.

A fisioterapia é utilizada na prevenção de trombose e de perdas musculares provocadas por imobilidade tanto no pós operatório quanto por debilidade durante o tratamento, na prevenção de pneumonias através de exercícios respiratórios, no tratamento do linfedemas após mastectomias, etc.

A equipe multidisciplinar da Akeso Clinic Center trabalha para que haja recuperação mais rápida, com menor deterioração do estado de saúde do paciente, permitindo que os ciclos de tratamento propostos pelo médico oncologista sejam seguidos até o final, aumentando sua eficácia.

Referências:

  1. http://www2.inca.gov.br

  2. https://www.hcancerbarretos.com.br

  3. Schein,C.F. et all – Efeitos colaterais da quimioterapia em pacientes oncológicos hospitalizados. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, 7(1): 101-107, 2006.

  4. Machado, S.M.; Sawada, N.O. – Avaliação da qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico adjuvante. Texto & Contexto-Enfermagem, 17(4): 750-757, 2008.

  5. Arisawa,E.A.L. et all. – Efeitos colaterais da terapia antitumoral em pacientes submetidos à quimio e à radioterapia. Rev. Biociên, 11(1-2): 55-61, 2005.

  6. Sawada,N.O. et all. – Avaliação da qualidade de vida de pacientes com câncer submetidos à quimioterapia. Rev. Da Escola de Enfermagem da USP, 43(3): 581-587, 2009.

#equipemultidisciplinar #câncer

25 visualizações