• Laird Harrison

Do paciente com câncer ao triatleta - como alguns estão correndo da fadiga do câncer


Minneapolis – Os treinadores estão ajudando os sobreviventes de câncer de mama a se prepararem para um dos vários eventos locais de triátlon na região de Milwaukee.

“Trata-se de desenvolver um grupo de sobreviventes de câncer que são encorajados a exercitarem-se juntos”, disse Linda Piacentine, PhD, da Faculdade de Enfermagem da Universidade de Marquete, em Milwaukee. “Não se trata de apenas começar, mas continuar juntos”. Não enfatizamos competir; enfatizamos sua conclusão”.

Estudos anteriores mostraram que apenas cerca de metade de todos os sobreviventes de câncer de mama mantêm programas de exercícios 6 meses após o início e apenas 21% se exercitam no nível recomendado 10 anos após o tratamento.

Piacentine e seus colegas queriam saber se poderiam obter melhores resultados com um programa exclusivo de triátlon.

Durante 14 semanas, eles forneceram 5 sessões semanais – 2 supervisionadas e 3 sem supervisão. Os eventos variaram ligeiramente, mas incluíam um mergulho de 402 metros a 804 metros, um passeio de bicicleta de 19 a 24 Km e uma corrida de 5 Km.

Foi enviada uma pesquisa para 156 sobreviventes de câncer de mama 1 a 6 anos depois de terem participado de um triátlon. Suas idades variaram de 28 a 68 anos.

Dos 106 entrevistados (68%), 80 (75%) tinham um índice de pontuação de descanso acima de 24, que é o ponto de corte para as diretrizes de exercício padrão, e funciona para 150 minutos de exercício moderado por semana.

Trata-se de desenvolver um grupo de sobreviventes de câncer que são encorajados a exercitarem-se juntos.

Quando perguntados com que frequência eles se envolviam em exercícios que os faziam suar, 51 (48%) dos entrevistados disseram com frequência, e 10 (9%) disseram que nunca. E 69 (65%) relataram participar de uma atividade física organizada nos últimos 12 meses, como outro triátlon, uma corrida, um evento de ciclismo em grupo ou uma aula de fitness.

Este estudo foi sujeito a viés de seleção, porque os mais propensos a responder à pesquisa também tinham maior probabilidade de continuar exercendo. Mas com uma taxa de resposta de 68%, mesmo se aqueles que não responderam não estivessem se exercitando, ainda parece que estamos fazendo a diferença”, explicou Piacentine na Reunião Anual de 2018 do Colégio Americano de Medicina Esportiva.

Muitos dos que participaram de um triátlon são membros ativos de um grupo do Facebook e o utilizam para organizar atividades de exercícios em grupo, relatou.

Este programa de triátlon pode ser mais eficaz do que os outros por causa do vínculo que ocorre entre os participantes, disse Piacentine ao Medscape Medical News. Por exemplo, os sobreviventes de câncer de mama se sentem mais confortáveis se despindo em frente um do outro do que em frente a um grupo geral de usuários de academia, porque eles têm cicatrizes semelhantes e muitas vezes mastectomias, disse.

“Eu realmente acho que podemos incorporar o exercício no centro de tratamento do câncer”, disse Patricia Sheehan, candidata ao doutorado do Instituto de Tecnologia de Waterford, na Irlanda.

A fadiga é um dos sintomas mais comuns do câncer, e pode persistir por anos após o tratamento. Ainda assim, os sobreviventes de câncer se sentem com mais energia quando se exercitam regularmente, explicou.

Em outro estudo apresentado na reunião, Sheehan e seus colegas avaliaram os sobreviventes de câncer pelo menos 6 semanas após a conclusão da cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. Todos pontuaram abaixo de 45 na Avaliação Funcional da Terapia do Câncer: Fadiga (FACT-F). A escala varia de 0 a 52, e uma pontuação de 30 indica fadiga severa.

Os participantes do estudo tinham que estar fisicamente ativos menos de 90 minutos por semana. “Quando eles vieram até mim, não havia ninguém participando da atividade física”, disse Sheehan ao Medscape Medical News. “Essas pessoas tinham um medo enorme de serem fisicamente ativas”.

Dos 37 participantes, 30 sobreviveram ao câncer de mama e os 7 restantes foram sobreviventes de outros tipos de câncer. A idade média foi de 55 anos e o tempo médio de tratamento foi de 2,3 anos.

Os 19 participantes designados para o grupo de exercícios reuniram-se à instrução do exercício 2 vezes por semana durante as 5 primeiras semanas e depois 1 vez por semana durante as outras 5 semanas. Sob a supervisão de Sheehan, que é personal trainer, eles trabalharam de forma incremental até 65% a 85% de sua frequência cardíaca máxima ajustada à idade e a uma nota de exaustão percebida de 11 a 13 em uma escala de 20 pontos, onde 6 indica nenhum esforço e 20 é o esforço máximo.

A maior parte dos exercícios foi realizada em sessões de grupo. Da semana 11 até a semana 25, embora as aulas de exercícios fossem descontinuadas, Sheehan forneceu apoio aos participantes por meio de mensagens de texto.

Os outros 18 participantes, designados para educação em saúde, se reuniam 1 vez por semana para receber instruções sobre alimentação e nutrição, terapia cognitivo comportamental, e gerenciamento do sono. Ela discutiu o exercício com eles apenas em resposta às suas perguntas. Ela também forneceu suporte por texto. Após a semana 10, os membros desse grupo foram incentivados a se inscrever no programa de exercícios.

Foram observadas melhorias em ambos os grupos, não apenas no índice FACT-F, mas também em múltiplas medidas de bem-estar psicológico, qualidade de vida e função física.

No grupo de exercícios, as melhorias em todos os domínios medidos foram significativas, exceto a velocidade de onda de pulso, uma medida de rigidez arterial, e a proteína C-reativa, uma medida de inflamação. No grupo de educação, a única melhora significativa foi no escore de fadiga (P<0,05). A maioria das alterações no escore de fadiga ocorreram nas primeiras 4 semanas, relatou Sheehan. E as melhorias foram maiores que as documentadas por outros pesquisadores.

Após a apresentação, um membro da plateia perguntou por que os participantes tinham tanto medo de se exercitarem e como conseguiram superá-lo.

Muitas pessoas com fadiga têm medo que os exercícios possam “fazer mais mal do que bem” . “Na Irlanda, foi prescrito o repouso para a fadiga”. Mas a fadiga não é o mesmo que cansaço; ela persiste por anos e não melhora com o repouso.

Para superar seus medos, Sheehan deu aos participantes estratégias de enfrentamento, como listar os prós e os contras do exercício. Ela também ensinou-os a avaliar seu nível de esforço. Os participantes disseram a ela que seus clínicos gerais lhes dizem o que não podem fazer, enquanto ela lhes diz o que eles podem fazer.

Como os participantes entraram no estudo em momentos diferentes, eles não foram designados aleatoriamente para os grupos, o que é uma limitação do estudo, reconheceu.

Piacentine e Sheehan não revelaram relações financeiras relevantes.

Reunião Anual de 2018 do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM): Resumos 1101/6 e 1103/8. Apresentado em 31 de maio de 2018.

Cite this article: From Cancer Patient to Triathlete - Medscape - Jun 01, 2018.

#câncer #fadiga #triátlon

20 visualizações